14 de dez de 2010

CHAZINHO DE COCA - COMPARADANDO O EQUIPARADO

Enfim a CBF tomou uma atitude sobre a polêmica acerca da equiparação de todos os campeonatos disputados nacionalmente. Vitória dos que eram favoráveis.

O amigo que acompanha o que eu escrevo aqui ou em minhas redes sociais, sabe bem o que penso a respeito. Refresco então a memória dos que se esqueceram.

Palmeiras e Santos são os maiores campeões nacionais desde que esse âmbito passou a ser aplicado. São ao todo 8 títulos de amplitude nacional para cada lado.

Para o Palmeiras, metade disso conquistado dentro dos “atuais” moldes de nosso Campeonato Nacional. Nesse ponto o Santos tem 2.

Nunca foi colocada a prova a importância dos títulos do Roberto Gomes Pedrosa e da Taça Brasil. Como não será colocada se em algum tempo o Campeonato Brasileiro for aposentado também.

Ao mesmo tempo em que essa medida coloca tudo sob a mesma nomenclatura e dá a sensação de que a justiça foi feita, pode-se pensar que os mesmos que reivindicaram isso não davam o devido valor as suas próprias conquistas do passado. Conquistas que pavimentaram e traçaram o perfil de gigantes que seus clubes hoje ostentam.

Não vou entrar na pilha de ser contra ou a favor. Para mim dá na mesma.

Palmeirense que sou, continuo convicto na questão de que meu clube é o maior campeão nacional do Brasil, ao lado do Santos. Pouco importando se são Brasileirões, “Robertões”, “Tações” ou “Copões”.

Mas os exercícios que essa questão nos permite fazer são interessantes.

Existem os que acham que a fórmula define o paralelo entre as competições. O que penso ser até plausível. Nesse ponto a Taça do Brasil deveria ser equiparada sim a nossa atual Copa do Brasil. Isso tornaria Santos e Cruzeiros os maiores campeões desse torneio com 5 títulos cada. O Palmeiras teria 3.

Assim seriam unificados os títulos do Roberto Gomes Pedrosa com o atual Campeonato Brasileiro.

Isso faria de Palmeiras e São Paulo seus maiores campeões com 6 títulos cada.

Mas abre-se assim uma série de precedentes. O que fazer com a Copa dos Campeões que foi disputada no início dos anos 00´s e dava vaga na Libertadores? A Copa União é o que? E a João Havelange?

Como imaginar um clube sendo bicampeão brasileiro no mesmo ano? Sim, o Palmeiras é bicampeão brasileiro de 1967, onde conquistou a Taça Brasil e o Roberto Gomes Pedrosa.

Esse simples fato já não demonstra o amplo domínio que o Palmeiras exercia no cenário da Bola. Não é magnífico pensar assim?

Com a equiparação, todos os clubes campeões passam a ser detentores de todos os campeonatos nacionais, afinal virou tudo uma coisa só. Antes disso nem todos podiam se dizer campeões de tudo.

Vejam também que agora Pelé, Coutinho e Pepe passam a ser os jogadores mais vezes campeões do Brasileirão.

Já não eram os maiores antes de mudar a nomenclatura? Claro que eram.

Roberto Dinamite continua sendo o maior artilheiro do Brasileirão? Possivelmente não.

Essa é uma conversa que só vai servir para alimentar discussão de mesa de boteco. Para os que de fato pensam um pouco mais além do copo de cerveja, nada muda. Palmeiras e Santos já eram recordistas anteontem, independentemente da nomenclatura que se dê as competições.

Cheers,

Nenhum comentário: